Economia

Dólar sobe forte e fecha a R$ 5,65 com demissão de Moro

Moeda fechou vendida a R$ 5,6573, em alta de 2,33%. Durante os negócios, cotação chegou a R$ 5,7469.

A cotação do dólar repercutiu a tensão política nesta sexta-feira (24). A saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça levou a moeda a bater novo recorde histórico, chegando a passar dos R$ 5,70 durante os negócios, enquanto o agora ex-ministro fazia seu último pronunciamento no cargo.

Ao final dos negócios, o dólar fechou vendido a R$ 5,6573, em alta de 2,33%. Na máxima do dia, chegou a ser negociado a R$ 5,7469. Veja mais cotações.

Já a Bovespa fechou em forte queda, tendo chegado a mais de 9% durante o pregão.

No ano de 2020, em meio a cenário de juros baixos – com expectativa de ainda mais cortes na Selic pelo Banco Central –, o dólar acumula alta de 41,09%. No mês, a alta acumulada é de 8,88%.

Atuação do Banco Central

Em meio à disparada do dólar, o Banco Central realizou nesta sexta-feira leilões de linha de dólar e de contratos de swap cambial para rolagem de vencimentos em ambos os instrumentos.

Em dinheiro “novo”, o BC injetou no mercado, entre os dois instrumentos, um total de US$ 1,545 bilhão, destaca a Reuters. O BC colocou ainda todos os 10 mil contratos de swap cambial (US$ 500 milhões) em leilão de rolagem e US$ 700 milhões em operação para postergar o vencimento de linhas de moeda estrangeira (a oferta era de até US$ 3 bilhões).

Dólar 24.04.2020 — Foto: Economia G1

Tensão política

Aliados do ministro da Justiça, Sergio Moro, afirmaram que ele foi pego de surpresa com a publicação, no “Diário Oficial” desta sexta-feira (24), da exoneração do delegado Maurício Valeixo, agora ex-diretor-geral da Polícia Federal.

Ao anunciar sua saída do governo, Moro afirmou que disse para Bolsonaro que não se opunha à troca de comando na PF, desde que o presidente lhe apresentasse uma razão para isso. Ele disse ainda que o problema não é a troca em si, mas o motivo pelo qual Bolsonaro tomou a atitude. Segundo o agora ex-ministro, Bolsonaro quer “colher” informações dentro da PF, como relatórios de inteligência

O mercado reagiu negativamente por entender que o movimento indica mais tensões políticas dentro do governo e pode acabar piorando a avaliação do próprio presidente e colocando em xeque a governabilidade do presidente Jair Bolsonaro. Moro está entre os ministros mais bem avaliados pela população.

A saída conturbada de Moro do governo alimenta também preocupações sobre o futuro do ministro da Economia, Paulo Guedes, no governo.

“Sua saída [de Moro] representa a desconfiguração da “equipe de ouro” que incluía os chamados “super-ministros” da Justiça e também o da Economia, Paulo Guedes, o que enfraquece o já desgastado governo Bolsonaro. Isso porque tanto Guedes quanto Moro representavam a promessa de uma equipe ministerial técnica e o frágil equilíbrio das forças de sustentação que apoiam a conturbada liderança de Bolsonaro”, avaliou Ernani Reis, analista da Capital Research.

“Você tem a saída de um ministro que a opinião pública via como uma pessoa idônea de um jeito um pouco controverso. Há preocupação de que a pressão pode ser transferida para o Paulo Guedes, que já estava à parte do plano do governo para o pós-crise, e que você possa deixar para trás políticas mais ortodoxas que estavam sendo praticadas até então”, disse Flávio Serrano, economista-chefe do Haitong.

Tombo da atividade econômica

No noticiário econômico, pesquisa da Fundação Getulio Vargas (FGV) mostrou que a confiança da indústria brasileira deve registrar uma queda histórica em abril. A prévia da sondagem do setor indica recuo de 39,5 pontos, para 58,0 pontos. Caso esse resultado se confirme, essa será a maior queda mensal da história do indicador, com o índice alcançando o menor valor da série.

As contas externas do Brasil registraram déficit de US$ 15,242 bilhões no primeiro trimestre deste ano, com aumento de 1,32% na comparação com o mesmo período de 2019, informou o Banco Central nesta sexta-feira (24). Foi o maior rombo para o período desde 2015, ou seja, em cinco anos.

“A deterioração das contas públicas em decorrência da pandemia da Covid-19, associada à interminável crise, especialmente entre o Executivo e Legislativo, põe o Brasil nas cordas. O risco-país afugenta os investidores”, disse em nota Ricardo Gomes da Silva, da Correparti Corretora.

O mercado passou a estimar retração de 2,96% do PIB em 2020, segundo a última pesquisa Focus do Banco Central, e diversos bancos e consultorias avaliam que o país corre o risco de enfrentar uma nova recessão. Já o Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê queda de 5,3% do PIB do Brasil neste ano.

Via G1 Economia

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *