Política

Prisão de deputado bolsonarista tem impactos jurídicos e políticos

Folha de Pernambuco procurou especialistas para avaliar o impacto da decisão do ministro Alexandre de Moraes (STF), ratificada pelo plenário da Corte, que ordenou a prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) na noite da última terça-feira. De acordo com a Constituição Federal, um parlamentar pode ser preso em caso de flagrante de crime inafiançável. Contudo, a configuração do flagrante no caso do parlamentar é um ponto polêmico.

“O entendimento do ministro foi que a partir do momento que se publica o vídeo do ataque às instituições democráticas e esse vídeo fica disponível, para qualquer pessoa assistir e compartilhar, a pessoa estaria praticando o crime durante todo o tempo em que aquele vídeo estiver à disposição do público. Então como flagrante é a situação de quando o sujeito está praticando o crime ou acabou de praticar, se publicou com ofensas e ameaças às instituições democráticas, esse crime passa a ter um caráter de permanência”,  explica João Paulo Martinelli, advogado, doutor em Direito Penal pela USP.

“O entendimento do Supremo é esse. O fato é tão grave que não tem tipificação na lei como crime. Então é a liberdade de expressão, o uso da imunidade parlamentar em conflito com as instituições democráticas. A imunidade tem uma função que permite ao parlamentar se manifestar na defesa de interesses seus, sem correr o risco de responder por isso”, disse o especialista ao falar sobre a imunidade parlamentar e a separação dos poderes. “Ele pode ser mais contundente, crítico, fazer uso de palavras duras. Mas não poderia passar por cima da própria constituição, que é a harmonização de poderes. Da justiça democrática. Então o supremo entendeu que tem que prevalecer o respeito às instituições democráticas”, concluiu.

O também advogado Matheus Falivene, Doutor e Mestre em Direito Penal pela USP, avalia que “não cabia prisão preventiva neste caso”. “Os ministros falaram: cabe prisão preventiva, o crime seria inafiançável. Só que essa é uma interpretação a meu ver, incorreta. Porque daí você vai estar interpretando, a constituição a luz do código penal. Deveria ser o contrário, você interpreta o processo penal à luz da constituição. E a constituição fala que os crimes inafiançáveis são a exceção. Que a regra são os crimes afiançáveis. Então só não caberia fiança para crime hediondo, terrorismo ou tráfico de drogas.  E não é o caso. Então, ao meu ver, foi um erro de interpretação”, avalia.

Crise

A prisão do deputado abriu uma crise institucional na Praça dos Três Poderes e está longe de terminar. Na avaliação do cientista político pela Universidade Federal Fluminense, Antônio Lucena, será necessária uma articulação política entre legislativo e judiciário, para que “os ânimos sejam acalmados”.

“Existe esse grau de imprevisibilidade do centrão. Agora o centrão, geralmente, não gosta de radicalismos. Isso é uma coisa que causa um distúrbio grande, que se coloca um holofote sobre coisas que eles não gostariam que fossem colocados. Então deve-se chegar a algum denominador. E a participação de Arthur Lira vai ser fundamental, e aí a gente pode observar o que pode acontecer. Eu acredito que é imprevisível, mas eu acho que algum tipo de punição vai ser negociado para Daniel Silveira porque é preciso acalmar os ânimos que estão bastante exaltados”, explicou o professor, ao falar sobre a relação política do legislador com os pares.

O cientista político Elton Gomes, acredita na possibilidade de um “acordão” entre todos os envolvidos. “O que deve acontecer é o seguinte: um acordão. Um enorme acordo porque não interessa para arthur lira, recém eleito presidente da câmara dos deputados, com uma agenda de reformas para pautar, e diante da perspectiva gerada pela normalização do governo, que abriu a temporada das emendas em troca de apoio parlamentar, por troca de benefícios da parte dos congressistas, bater de frente com o supremo. Ao mesmo tempo os políticos estão aterrorizados porque eles sabem que se essa decisão for mantida, isso pode gerar um precedente muito perigoso”, disse.

Via Folha de Pernambuco

Artigos relacionados

Escreva um comentário