Notícias

Polícia prende juiz que vendia sentenças em Pernambuco

André Rui de Andrade foi condenado a 17 anos de prisão em regime fechado

Na última quarta-feira (11), a Polícia Civil de Pernambuco prendeu o juiz André Rui de Andrade Albuquerque, de 59 anos, condenado a 17 anos de prisão pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) por estelionato, fraudes e lavagem de dinheiro.

A prisão foi realizada pelo Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRACO), braço da Delegacia Interestadual e Capturas (POLINTER/CAPTURAS).
Segundo o delegado da POLINTER, Paulo Furtado, ele vendia sentenças em conluio com advogados, oficiais de justiça e empresários, através de fraudes que favoreciam terceiros.

Desdobramento do caso

Após ser denunciado pelo Ministério Público em 2007, André Rui se aposentou de forma compulsória (obrigatoriamente) e foi destituído do seu cargo na 1ª Vara Cível de Jaboatão dos Guararapes.

O processo durou cerca de 10 anos, em decorrência de recursos para reverter a sentença. Entretanto, desembargadores do TJPE confirmaram a decisão e o mandado de prisão condenatória foi expedido.

Prisão

André Rui foi localizado em um escritório de advocacia próximo à sua residência e encaminhado ao Cotel.

Apesar de saber sobre a condenação, o processo continuava em grau de recurso na justiça, e o acusado não tinha ciência do mandado de prisão.

Segundo o DRACO, o detido não tem direito à prisão especial e vai cumprir a pena em regime fechado.

Esclarecimentos

Em nota, o Sindicato dos Oficiais de Justiça de Pernambuco (Sindojus-PE) afirmou que não há registro de oficiais de justiça envolvido no caso do juiz André Rui de Andrade Albuquerque. Leia a íntegra da nota:

“O Sindicato dos Oficiais de Justiça de Pernambuco (Sindojus- PE) vem a público esclarecer que, contrário ao que foi divulgado pela imprensa, NÃO há registro de OFICIAL DE JUSTIÇA envolvido no caso do ex-juiz André Rui de Andrade Albuquerque. O ex-magistrado foi preso nessa quarta-feira (10), acusado de vender sentenças em conluio com advogados e empresários por meios fraudulentos quando atuava na 1ª Vara Cível de Jaboatão dos Guararapes. Reiteramos que nenhum Oficial de Justiça está envolvido nesse caso. Nossa categoria foi exposta pela mídia erroneamente, bem como em nota publicada pela Polícia Civil de Pernambuco. Exigimos a urgente retratação do equívoco.”

Via Jornal do Commercio

Etiquetas

Elvis Lima

Jornalista, blogueiro, apaixonado pelo sertão nordestino.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *