Marcelo Queiroga é escolhido novo ministro da Saúde: veja repercussão entre políticos

Queiroga vai substituir Eduardo Pazuello no cargo. Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, médico é o quarto ministro da Saúde no governo Bolsonaro.

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta segunda-feira (15) a escolha do médico Marcelo Queiroga como novo ministro da Saúde.

Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Queiroga substituirá Eduardo Pazuello, que estava na função desde maio do ano passado.

Marcelo Queiroga é o quarto ministro da Saúde no governo Bolsonaro, também o quarto ministro desde o início da pandemia. Antecederam o novo ministro: Pazuello, Nelson Teich e Luiz Henrique Mandetta.

Segundo levantamento mais recente do consórcio de veículos de imprensa, o Brasil registrou 1.275 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas e totalizou nesta segunda (15) 279.602 óbitos. Com isso, a média móvel de mortes no Brasil nos últimos 7 dias chegou a 1.855, novamente um recorde.

Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de +46%, indicando tendência de alta nos óbitos pela doença.

Repercussão

Saiba (por ordem alfabética) como o mundo político reagiu à troca:

Alessandro Molon (PSB-RJ), deputado: “O médico Marcelo Queiroga vai assumir o Min. da Saúde. Seria boa notícia, não fosse a conduta de Bolsonaro: ele vai tolerar que o ministro siga a Ciência, desestimule aglomerações e promova ampla vacinação? Ou vai continuar boicotando essas medidas?”.

Bohn Gass (PT-RS), deputado: “Desejo a @mqueiroga2 (Marcelo Queiroga), sucesso no Ministério da Saúde, e, de forma muito especial, no combate à pandemia. Chega de mortes evitáveis!!! Mas, sinceramente, não acredito que mudar o ministro seja suficiente. É preciso mudar o presidente.”

Camilo Santana, governador do Ceará: “Desejo boa sorte ao dr Marcelo Queiroga nesse enorme desafio no Min da Saúde no momento mais crítico da pandemia. Que ele tenha todo o apoio e as condições necessárias para fazer um trabalho de acordo com a ciência, sem a interferência negacionista que tanto mal tem feito ao país.”

Cid Gomes (PDT-CE), senador: “A nomeação do quarto ministro da saúde em plena pandemia atesta definitivamente a incompetência do governo Bolsonaro. O general destrambelhado que deixa o cargo depois de 280 mil mortes mancha também o nome do exército. O povo quer eficiência e não politicagem barata.”

Eliziane Gama (Cidadania-MA), senadora: “É fundamental q/a saída do ministro Pazuello signifique uma mudança de rumo na forma como o PR encara a pandemia. De nada adianta mudar o gestor e manter o negacionismo, a defesa dos tratamentos q/ ñ funcionam. Queremos vacina e respeito aos 280 mil brasileiros vítimas da Covid. Que o novo ministro tenha total autonomia no comando do Ministério da Saúde. Enquanto o governo não entender q/ a ciência precisa ser colocada à frente de ideologia política, continuaremos a ver o número de mortes crescendo exponencialmente. Basta de irracionalidade.”

Fábio Faria, ministro das Comunicações: “Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Marcelo Queiroga fará um excelente trabalho à frente do Ministério da Saúde, uma das pastas mais desafiadoras e relevantes. Boa sorte na nova missão e conte comigo!”

Helder Barbalho, governador do Pará: “Desejo sorte e sucesso ao novo Ministro da Saúde, Dr. Marcelo Queiroga. Que consigamos nos unir para enfrentar a pandemia juntos, em busca da vacina e de soluções alinhadas com a ciência.”

Humberto Costa (PT-PE), senador: “Somos o país que mais trocou o comando da saúde na pandemia. As mudanças sempre confusas, políticas e o povo continua morrendo. Bolsonaro faz politicagem onde deveria ter responsabilidade. Enquanto um ministro fazia balanço e falava de orgulho, Bolsonaro o derrubava por trás.”

João Azevêdo, governador da Paraíba: “Boa sorte ao Dr. Marcelo Queiroga, paraibano escolhido para assumir o @minsaude nesse difícil momento da pandemia. Conte com o apoio dos governadores para acelerar a vacinação para que assim possamos vencer o vírus com base na ciência, pelo bem do Brasil e pela vida do nosso povo”

Juscelino Filho (DEM-MA), deputado: “Desejo boa sorte ao cardiologista Marcelo Queiroga (@mqueiroga2), que vai assumir o @minsaude! O sucesso no cargo, especialmente quanto à vacinação em massa dos brasileiros, será fundamental para vencermos a #Covid19 e salvarmos vidas. É o que todos nós queremos!”.

Luis Carlos Heinze (PP-RS), senador: “Desejo sucesso ao seu sucessor Marcelo Queiroga, atual presidente da SBC – Sociedade Brasileira de Cardiologia. Estamos juntos para superar os desafios que estão por vir @mqueiroga2”.

Marília Arraes (PT-PE), deputada: “Marcelo Queiroga é o novo Ministro da Saúde! Resta saber se o presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia vai conseguir conciliar o compromisso assumido com o Juramento de Hipócrates ou se vai seguir com a política genocida de Bolsonaro.”

Mecias de Jesus (Republicanos-RR), senador: “Parabenizo a indicação do novo Ministro da Saúde, o cardiologista Marcelo Queiroga. O momento é delicado, exige compromisso e dedicação. Acredito no potencial do indicado e torço para que faça uma gestão eficiente para saúde pública, em especial no combate ao #coronavírus.”

Orlando Silva (PCdoB-SP), deputado: “Marcelo Queiroga aceitou o cargo de ministro da Saúde, em substituição a Pazuello, que carregará a marca de mais inepto de nossa história. Não há motivos para comemoração, já que é sabido e consabido que é Bolsonaro quem impõe o negacionismo assassino como política pública.”

Paulo Câmara, governador de Pernambuco: “Desejo toda sorte ao novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. E muitos acertos, tão necessários e urgentes. Nossa disposição, desde sempre, é atuar em conjunto, para que o Brasil reverta o grave quadro. Somar forças é o caminho para vencer a pandemia.”

Paulo Rocha (PT-PA), líder do PT no Senado: “Que o novo ministro Marcelo Queiroga tenha, de fato, autonomia para promover as ações necessárias para tirar o país da mais grave crise sanitária da sua história. Chega de ideologias. Esta nação precisa de medidas de saúde pública pautadas na seriedade e na ciência.”

Randolfe Rodrigues (Rede-AP), senador: “Caiu mais um Ministro da Saúde durante a Pandemia. É a QUARTA troca. Será que o problema são os ministros? Respeitar a ciência, agilizar a vacinação, seguir as recomendações de Saúde são medidas que esperamos do novo ministro. O Brasil tem pressa. A vida tem pressa! #VacinaJa”

Renato Casagrande, governador do Espírito Santo: “A ocupação de leitos no ES chegou a 90%. Faremos hj diversas reuniões para definir com outros poderes, prefeituras e segmentos as medidas que tomaremos em conjunto. Nossa atenção está voltada exclusivamente para o agravamento da crise.”

Rodrigo de Castro (PSDB-MG), deputado: “Em relação à substituição no Ministério da Saúde registrada há pouco pela imprensa, nosso apelo para que o novo ministro Marcelo Queiroga tenha liberdade para traçar diretrizes de enfrentamento à pandemia sempre baseadas na ciência, que some esforços ao dos governadores e prefeitos e dê a importância e a agilidade necessárias à vacinação, crucial para o Brasil vencer a pandemia e reativar a economia.”

Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB), vice-presidente do Senado: “Desejo aqui meus votos de sucesso ao médico paraibano Marcelo Queiroga, novo Ministro da Saúde. Não apenas na condição de conterrâneo, mas de quem conhece os seus valores profissionais, fato que nos da a tranquilidade de que terá uma postura diferente na condução do M. Da Saúde.”

Vítor Hugo (PSL-GO), deputado: “Parabéns ao novo ministro @marceIoqueiroga pela indicação para a pasta da Saúde. Nossos sinceros agradecimentos ao ministro Pazzuelo pelos trabalhos prestados ao Brasil nos últimos meses!! Vidas e Empregos!! Força e Honra!! Valeu!Bandeira do BrasilValeu!”

Waldez Góes, governador do Amapá: “O Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, tem um imenso desafio à frente. É preciso mudar os rumos da condução da pandemia, priorizando a ciência e uma rápida vacinação. Boa sorte e sucesso ao novo ministro.”

Wellington Dias, governador do Piauí: “Mais uma mudança no Ministério da Saúde. Os governadores sempre estarão prontos para somar em ações integradas e no combate ao inimigo em comum que é o coronavírus. Mas a pergunta que faço é: Essa mudança de ministro também representa uma mudança de visão do Governo Federal?”

Via G1

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *