Notícias

Florestano passa bem após terremoto no Chile

Jovem florestano intercambista passa bem após terremoto no Chile na última quarta-feira (16). Um forte tremor de terra deixou um rastro de destruição no país. Apesar disso, o estudante Daniel Rodrigues da Escola de Referência em Ensino Médio Capitão Nestor Valgueiro de Carvalho, não estava em uma área atingida pelo terremoto.

Em uma conversa pelas redes sociais, o jovem Daniel Rodrigues, de 16 anos, contou que está de férias com sua nova família no sul do Chile. “Na cidade que eu estou morando aqui teve um tremor, mais não muito forte”, contou. Ainda de acordo com o rapaz, todos os colegas também não tiveram problemas.

O florestano Daniel e outros jovens pernambucanos viajaram no mês de julho deste ano para o Chile. Eles vão ficar lá até o fim de 2015 aperfeiçoando o espanhol e aprendendo uma nova cultura. O intercâmbio é promovido pelo Programa Ganhe o Mundo, do Governo de Pernambuco, através da Secretaria de Educação.

MATÉRIA RELACIONADA:
Florestano Daniel Rodrigues embarca com 49 estudantes para o Chile

O TERREMOTO – O terremoto de magnitude 8,3 que sacudiu o Chile na quarta-feira (16) deixou 12 mortos e cinco desaparecidos, segundo o boletim divulgado na noite desta quinta-feira (17) pelas autoridades.

“O número de mortos neste momento é de doze, sendo oito na região de Coquimbo, três em Valparaíso e um na região metropolitana” de Santiago, informou o ministro do Interior, Jorge Burgos. “Há ainda cinco desaparecidos, pessoas que a polícia está trabalhando para localizar”.

Artigos relacionados

Um Comentário

  1. Estive em Floresta 27,28,29 e 30 de janeiro último. Fiz até uma lista de pontos turísticos. A igreja de Nossa Senhora do Rosário está em completo abandono. O cupim está destruindo tudo. Tinha até sapo dentro. A senhora que nos atendeu é um amor de pessoa, mas completamente desassistida para cuidar daquele patrimônio histórico. Lamentável também a situação do rio Pajeú onde se encontra a famosa pedra que não vi a inscrição. O bairro do vulcão, ninguém no local sabe nada. Por fim, procurei o artesanato, mas ninguém soube dizer onde encontrar nada. Estávamos em cinco pessoas e voltamos de mãos abanando.

Escreva um comentário