Economia

Dólar sobe pela 12ª sessão consecutiva e fecha a R$ 4,65

Nesta quinta-feira, moeda norte-americana subiu 1,57%, cotada a R$ 4,6509.

O dólar subiu pela 12ª sessão consecutiva nesta quinta-feira (5), alcançando pela primeira vez o patamar de R$ 4,65 e marcando novo recorde nominal (sem considerar a inflação) de fechamento, em meio a expectativas de corte de juros devido aos riscos econômicos do coronavírus. O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC se reunirá em 17 e 18 de março para deliberar sobre a taxa de juros, que está em patamar mínimo recorde de 4,25% ao ano.

A moeda norte-americana subiu 1,57%, cotada a R$ 4,6509, mesmo com leilão extra do Banco Central. Na máxima, chegou a R$ 4,6664

Já o dólar turismo foi vendido a R$ 4,8582, sem considerar o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). Nas casas de câmbio, o dólar era negociado acima de R$ 5,08 nas compras em cartão pré-pago.

No dia anterior, o dólar encerrou a sessão em alta de 1,51%, a R$ 4,5790, após a divulgação dos dados oficiais do Produto Interno Bruto (PIB) de 2019, que registrou alta de 1,1% em 2019, confirmando resultado mais fraco em 3 anos e desaceleração da economia brasileira no 4º trimestre.

No ano, a alta acumulada já é de 15,99%.

Já o principal índice da bolsa de valores brasileira, a B3, registrou forte queda.

‘Se eu fizer muita coisa certa, pode descer’

Falando em evento em São Paulo, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o câmbio é flutuante e disse que o dólar pode recuar se o governo adotar as medidas corretas ao seguir na agenda de reformas para que a confiança do investidor no país seja recuperada.

“É um câmbio que flutua. Se eu fizer muita besteira, ele pode ir para esse nível (de R$ 5). Se eu fizer muita coisa certa, pode descer”, disse em evento realizado na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). “(Com a as reformas), mais rápidos são retomados os investimentos, e o dólar acalma.”

Coronavírus

Em todo o mundo o foco seguiu no surto de coronavírus em rápida expansão, que já atingiu cerca de 95 países, infectando mais de 95 mil pessoas, causando a morte de mais de 3 mil e ameaçando interromper as cadeias de suprimento mundiais.

“Todo esse movimento é global. Há uma apreciação do dólar geral”, disse Italo Abucater, gerente de câmbio da Tullett Prebon, citando movimentos de aversão a risco em meio a incertezas sobre o futuro da doença. “Quando que uma vacina será descoberta? Quando aparecerá uma cura?”

Segundo muitos analistas, colaborando para esse movimento está a expectativa de corte de juros no Brasil, depois que vários bancos centrais, incluindo o Federal Reserve, iniciaram movimentos de flexibilização monetária em defesa contra os riscos do coronavírus.

A redução sucessiva da Selic a mínimas históricas tornou alguns rendimentos baseados na taxa de juros brasileira menos atraentes para o investidor estrangeiro, o que recentemente prejudicou o desempenho do real.

Dólar sobe mesmo com intervenção do BC

Na tentativa de conter possível exagero no comportamento do câmbio, o Banco Central do Brasil anunciou para este pregão novo leilão de até 20 mil contratos de swap cambial tradicional com vencimento em agosto, outubro e dezembro de 2020, no valor de US$ 1 bilhão.

O BC já havia realizado nesta quinta-feira leilão em que vendeu 20 mil contratos de swap cambial tradicional com vencimentos semelhantes.

Segundo Abucater, um cenário doméstico desfavorável — com a possibilidade de a conjuntura brasileira se sair pior do que seus pares ao final da crise sanitária mundial — é um dos motivos para as atuações recentes do Banco Central nos mercados, mas citou ineficiência.

“O próprio BC não tem tido atuações enérgicas mesmo tendo ferramentas para tal. Ele não quer queimar o cartucho, porque entende que esse é um movimento global.”

O diretor de Tesouraria do Santander, Luiz Masagão, também criticou a estratégia atual de intervenção do Banco Central.

“O BC vem nesse discurso de que dólar alto não é problema, de prover liquidez apenas com ações pontuais, mas o movimento hoje mostra que os leilões não estão mais fazendo impacto sobre os preços. Na verdade, estão praticamente ignorando e passando por cima, o que corrobora a visão de que é um movimento especulativo”, disse ao Valor Online.

Masagão entende que, desde que voltou a colocar sobre a mesa a possibilidade de novas quedas da Selic este ano, a autoridade monetária trouxe volatilidade adicional aos mercados. “Acreditamos que o BC deveria aumentar os volumes de intervenção. A forma como isso deve ser feita [se através de um programa ou pontualmente] importa pouco. O importante é interromper essa dinâmica especulativa”, acrescentou.

Previsão de alta menor do PIB em 2020

Por ora, os economistas avaliam que a economia deve crescer entre 1,5% e 2% neste ano.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira que o resultado do PIB ficou “dentro do previsto” e reafirmou que a estimativa é que a economia brasileira cresça 2% em 2020.

Questionado sobre o impacto do surto de coronavírus na China, principal parceria comercial do Brasil, Guedes admitiu eventuais prejuízos, mas ressaltou que o Brasil tem dinâmica própria de crescimento, que poderá ser acelerada com as reformas.

Via G1

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *