Delegacia investiga abandono de incapaz e cárcere privado de idosa em Serra Talhada, PE

A Delegacia de Serra Talhada abriu inquérito para investigar uma denúncia vitimando uma idosa de 78 anos moradora da Praça Manoel Pereira Lins, no bairro São Cristóvão. O Farol apurou que a idosa estava em condições consideradas degradantes sob os cuidados de um sobrinho. Segundo testemunhas, a casa era restrita apenas a ele e a uma tia já há um bom tempo.

Mas, na tarde da última sexta-feira (5), a Polícia Civil conseguiu ter acesso à residência e, juntamente com outros órgãos de assistência social, conseguiram resgatar a senhora. O suspeito foi preso em flagrante e levado para a Delegacia, onde foi arbitrada fiança de R$ 3 mil. O rapaz não conseguiu pagar o valor e acabou passando por audiência de custódia, neste sábado (6).

Diante do juiz, no Fórum local no bairro da Cohab, foi estabelecida uma série de obrigações para que o suspeito cumpra urgentemente, sob o risco de permanecer preso. Uma das principais exigências, é que ele não deve mais se aproximar da vítima em hipótese alguma. Enquanto isso, a Polícia Civil tem 30 dias para fechar o inquérito. O Farol teve acesso a imagens do interior da casa onde ela estava, sob condições muito críticas.

“A casa estava num mau cheiro, com um monte de gatos, já havia vindo bater na casa outros dias alguém da Prefeitura, tentaram entrar e ele [o sobrinho] sempre inventava desculpa, que o trinco da porta estava quebrado”, comentou uma testemunha, que pediu para não ter a identidade revelada. Nas imagens enviadas ao Farol, é possível ver o interior da residência num estado deplorável para os cuidados com um idoso.

A reportagem conversou com o delegado Alexandre Barros, que confirmou a abertura do inquérito por cárcere privado e abandono de incapaz, com base artigo 99 do Estatuto do Idoso que diz: “Expor a perigo a integridade e a saúde, física ou psíquica, do idoso, submetendo-o a condições desumanas ou degradantes ou privando-o de alimentos e cuidados indispensáveis, quando obrigado a fazê-lo, ou sujeitando-o a trabalho excessivo ou inadequado gera pena de detenção de 2 meses a 1 ano e multa”. A idosa resgatada foi levada para uma casa de apoio.

Via Farol de Notícias

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *