CPRH intensifica ações de proteção ambiental na caatinga

Apesar do momento de crise que o Brasil vive e que reflete na receita dos Estados, Pernambuco, em vez de diminuir, vem aumentando os investimentos em proteção e gestão ambiental, avançando em iniciativas de conservação de áreas naturais e combate ao desmatamento e outros crimes ambientais. Uma nova lei sancionada pelo governador Paulo Câmara na última quinta (30), permitirá que 30% do valor arrecadado com a Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental de Pernambuco (TFape) seja destinado a suportes das equipes técnicas, para aumentar ainda mais o rigor das fiscalizações no Estado.

A medida vai aumentar  o valor das diárias dos fiscais da Agência de Meio Ambiente de Pernambuco (CPRH) e ainda garantir a remuneração de jornada extra aos policiais militares da Companhia Independente de Policiamento do Meio Ambiente (Cipoma), que trabalham em conjunto com os analistas ambientais. Os novos recursos ainda cobrirão outros custos operacionais e melhoras no aparelhamento dos policiais e uso de combustível.

Entre 2015 e 2016, os fiscais da CPRH coibiram o comércio irregular de madeira no Estado. O material apreendido, entre estacas e toras, se enfileirado formaria um linha de mais 150 quilômetros. Ainda foram confiscados sacas de carvão e lenha ilegais, além de armas de fogos e caminhões utilizados pelos infratores.

Em relação à proteção à fauna, os números são ainda mais impressionantes: no mesmo período, 1.361 animais silvestres foram resgatados das mãos dos traficantes. Parte foi devolvida ao habitat natural e outras se encontram no processo de recuperação no novo Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), criado em 2015 pela CPRH.

Mas não basta fiscalizar e apreender produtos florestais, é preciso evitar o desmatamento. Neste sentido, a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) e a CPRH estão implantando unidades de conservação em todas as regiões do semiárido. De 2011, ano da criação da Semas, até 2016, Pernambuco saltou de zero para 126 mil hectares de área de proteção integral de caatinga, com a criação de unidades de conservação. Novas unidades, totalizando uma área de cerca de 320 mil hectares estão sendo estudadas para implementação. A previsão é ultrapassar meio milhão de hectares protegidos até 2018.

O mesmo esforço está sendo dedicado também à Mata Atlântica, que aumentou sua área de proteção em 122% nos últimos quatro anos.

Não se pode esquecer ainda das ações do Governo de Pernambuco no sentido de estender a disponibilidade oferta de energia eólica e solar, além de gás natural, para substituir o uso de lenha em diversas regiões do interior.

NOVA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO EM AFOGADOS DA INGAZEIRA E CARNAIBA 

O governador Paulo Câmara, o secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Sérgio Xavier, e a presidente da CPRH, Simone Souza, anunciaram nesta sexta a liberação de R$ 80 mil para o início do processo de criação de mais uma Unidade de Conservação em Pernambuco, em parceria com as prefeituras dos municípios.

A UC será instalada na Serra do Giz, entre os municípios de Afogados da Ingazeira e Carnaíba, contribuindo para a preservação da fauna e da flora local.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *